quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Saiba mais sobre Massagem Integrativa


A Massagem Integrativa integra técnicas ocidentais e orientais. O foco está na Massagem Esalen (Califórnia, EUA), e complementa com técnicas de Massagem Thai Yoga (Tailândia), Zen-Shiatsu (Japão), Massagem Ayurvédica (Índia), Massagem Havaiana e Polarização de Energia.

É realizado na maca e compõe-se de uma sequência harmoniosa e completa de 90 minutos utilizando deslizamentos, pressões, alongamentos, fricções e mobilizações por todo corpo objetivando integrar todas as partes e sistemas, promovendo principalmente a integração entre corpo, mente e emoções. Propõe trazer consciência dos bloqueios e tensões, diminuir os efeitos nocivos do estresse em suas várias dimensões, proporcionando uma nova vitalidade, um estado profundo de bem-estar, um despertar para a felicidade.

Utiliza teorias e princípios terapêuticos corporais, fisiológicos, psicológicos, energéticos e filosóficos (efeitos neuro-endócrinos, chakras – centros e pontos energéticos, Qualidade e Estilo de Vida, conexões entre corpo-mente-emoções, alongamentos por facilitação – FNP,  Zen – estados meditativos). A apostila é rica de informações e contém uma seqüência fotográfica da massagem, além de numerosas dicas e indicações.

As técnicas são importantes, contudo a maneira de aplicar as técnicas, de tocar, o modo como são feitos os contatos, a atitude e o estado do terapeuta durante a massagem é muito mais relevante. Durante a Massagem Integrativa enquanto o paciente está num processo de tomada de consciência, relaxamento profundo e integração, o terapeuta permanece conectado com sua essência, presente, atento a si mesmo e ao paciente, desenvolvendo um toque sem esforço, com qualidade, sintonia, sensibilidade, mais integrado consigo mesmo e com seu paciente. Esta abordagem filosófica é o grande diferencial da Massagem Integrativa.




Curto Intensivo de Massagem Integrativa


O curso será ministrado por Abhijat Voss.
Massoterapeuta desde 85 pela Assoc. de Massagem Oriental do Brasil e Professor de Massoterapia oriental desde 1990. Técnicas que ensina: Zen-Shiatsu, Thai Yoga, Ayurvédica, Shiatsu Expresso, Do-in e Reiki. Instrutor de Yoga Integrativa. Pedagogo. Coordenador do Centro Zen. Processo de Deprogramação (1985 a 87) e Massagem Esalen (86) no Instituto Asas e Raízes. Possui especialização na Índia em Meditação e Colorpuncture na Academia Internacional de Artes de Cura, e na Tailândia em Thai Massage, Tok-Sen, Ayurvedic Massage e Hawaiian Massage. Treinamento em Massagem Kahuna com a australiana Phoebe Dixon. Atualmente leciona em instituições e atende empresas na área de massoterapia oriental e qualidade de vida.

domingo, 9 de outubro de 2011

A virtude do período de 22 de setembro a 21 de outubro


No mês de virgem a virtude que devemos procurar cultivar é a Satisfação interior.E o que significa Satisfação?Nada mais do que a aceitação do destino. Isso não significa ficarmos prostados diante das situações ou deixarmos de buscar uma vida próspera ou lutarmos com toda nossa energia para sermos melhores a cada dia. Significa não nos revoltarmos com a vida. A revolta geralmente traz a raiva,ou o sentimento que somos vítimas e isso, nunca é bom.
Acredito na reencarnação, a benção de podermos renascer muitas vezes, resgatando erros passados e aprendendo sempre através da experiência do corpo. Só mesmo a idéia da reencarnação, nos traz realmente a aceitação do nosso destino com alegria, pois temos a certeza que tudo que nos acontece é para nosso aprendizado e crescimento espiritual. Sem essa crença é difícil entender como um a pessoa má pode receber tantas graças da vida enquanto outras sejam constantemente atingidas pelo mal. Se cremos em um Deus justo, como aceitar tantas diferenças, sem duvidar dessa Justiça?
Aceitar nosso Destino nos traz satisfação interior. Em alemão, satisfação se traduz por Zufriedenheit - de zu Frieden, que significa "levar à paz".
Quando estamos satisfeitos com a vida geralmente temos nos lábios um leve sorriso e essa sensação é transmitida ao nosso cérebro com a mensagem "está tudo bem" e essa mensagem é levada aos nossos neurônios que enviam o comando aos nossos órgãos e ficamos mais saudáveis pelo "leve sorrir de nossos lábios". Uma cara carrancuda faz o caminho contrário, pense nisso!
A satisfação pode ser iniciada desde o momento que abrimos os nossos olhos e pensamos "que bom, mais um Dia, agradeço por essa cama quentinha, pela casa, pelo café que vou tomar ao levantar... e, assim por diante ao invés de dizer "ai mais um dia, que cansaço!!". Bem diferente a sensação das duas frases você não acha? E isso se estende ao trabalho, ao invés de reclamar, agradecer; na hora de comer ao invés de reclamar da comida, do preço, do sabor, agradecer pela benção do alimento. São gestos simples, mas pode ter certeza podem mudar sua vida.
A virtude da satisfação interior traz para nós uma qualidade: a serenidade.Ao estarmos satisfeitos, nos tornamos mais tranquilos, em equilíbrio com nosso destino e assim passamos de pessoas ansiosas a pessoas serenas.
O sentido ligado a serenidade é a visão.
Segundo Gudrun Burkhard, autora de onde estamos tirando nosso estudo sobre as virtudes relacionadas a cada mês astrológico, "o olho é o nosso verdadeiro pintor interno - ele nos dá colorido à vida e à alma, estando profundamente relacionado com o sentir.Quando nossa alma se torna "cinzenta" pela rotina do dia-a-dia, surge o perigo de entrarmos em depressão.
A visão está relacionada com a virtude da satisfação interior, que a vista sempre quer alcançar" (As forças Zodiacais, Gudrun Burkhard).
Espero que tenha gostado da virtude de setembro/outubro. Até a próxima!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Virtude

Estou lendo um livro que achei muito interessante e resolvi compartilhar com você o conhecimento. Chama-se: As forças zodiacais - Sua atuação na alma humana, de Gudrun Burkhard - editora Antroposófica.
Em um dos capítulos a autora nos fala das doze virtudes, virtudes essas que devemos procurar cultivar a cada mês do ano, acompanhando portanto o signo correspondente. Ela diz que devemos procurar começar a praticar em março, quando se inicia o primeiro signo, áries, procurando desenvolver a cada mês a virtude correspondente. O mês de março já se foi mas acredito que sempre é tempo de procurarmos ser melhores. Por isso aqui vai a dica:
22 de março - 21 de abrilries)............devoção Renúncia
22 de abril - 21 de maio (Touro)..........Equanimidade - Progresso
22 de maio - 21 de junho (Gêmeos)......Perseverança -Fidelidade
22 de junho - 21 de julho (Câncer)........Altruísmo -Purificação
22 de julho - 21 de agosto (Leão)............Compaixão - Liberdade
22 de agosto - 21 de setembro (Virgem)..Polidez -Sensibilidade, cortesia
22 de setembro - 21 de outubro (Libra)....Satisfação interior - Serenidade
22 de outubro - 21 de novembro (Escorpião)...Paciência - Cognição
22 de novembro - 21 de dezembro (Sagitário)...Controle da fala, do pensamento - Percepção da verdade
22 de dezembro - 21 de janeiro (Capricórnio)....Coragem - Redenção
22 de janeiro- 21 de fevereiro (Aquário)...Discrição - Força meditativa
22 de fevereiro - 21 de março (Peixes)....Magnanimidade(grandeza da alma) - Amor

A palavra "Virtude" vem do latim virtus, que é sinônimo de "potência" e significa força vital. Observando uma virtude a cada mês, procurando incorporá-la às nossas atitudes, vamos desenvolvendo em nós uma nova qualidade e se a virtude e´sinônimo de força vital, nos tornaremos seres cada vez mais fortes, você não acha?

O mês de março já vai longe, mas acho que se é para nos tornarmos pessoas melhores sempre é tempo de começar.

Este próximo período (que vai de 22 de agosto a 21 de setembro) trabalha em nós as qualidades do signo de virgem e a virtude da polidez.

Vamos então dissertar um pouquinho sobre essa virtude.
O significado da palavra polidez foi mudando através do tempo, antes tudo era de uma formalidade exagerada e muitas vezes fingida. Atualmente essa formalidade está desaparecendo e dando lugar muitas vezes, infelizmente a uma total falta de respeito pelo próximo. Acho importante cultivarmos essa polidez, mas aquela polidez que é preenchida por compaixão e respeito sinceros.
Por exemplo, em meu tempo chamar pai e mãe de "você" era algo inadmissível, os mais velhos então nem se fala. E aí há em tudo aquele sentimento de amor e respeito por trás da palavra, chamar alguém de senhor ou senhora e ter atitudes que denotem desrespeito e desamor é como deixar a palavra sem sentido.

Vemos hoje muitas atitudes de grosseria por parte de todas as pessoas, a grosseria de adolescentes com seus professores e colegas; a grosseria das pessoas com seus subalternos; com motoristas de ônibus e qualquer pessoa que pela condição de trabalho possa parecer "inferior" ou nos servindo.
"A grosseria provém sempre de um sentido de superioridade - intelectual ou física - em relação ao outro" (Do mesmo livro e autora citado acima, pág 256 e 257)

E é nesse ponto que devemos compreender o que é a polidez, é vermos no outro ser um Ser Divino, merecedor de nosso respeito e compaixão.

Da virtude da polidez surge uma qualidade: a sensibilidade. Nos tornamos mais sensíveis às necessidades dos outros, tendo a capacidade de "ouvir" nas entrelinhas, de olhar com mais atenção o que os "olhos" estão querendo dizer, de entender naquele sorriso meio amarelo a necessidade muito grande de um simples abraço.

Desenvolvermos em nós a virtude da polidez e a qualidade da sensibilidade e da cortesia fará de nós, com certeza, seres muito melhores. E, se vir ao seu pensamento aquela frase " de que adianta ser cortês, se ninguém age assim?" Responda a si mesmo, como desejo um mundo melhor se reajo como as outras pessoas e não faço nada para que o mundo, pelo menos o mundo que me rodeia, se torne melhor um pouquinho?

Um abraço, amigos, e até a próxima virtude!

domingo, 17 de abril de 2011

Um ocidental em visita à China ficou surpreso de ver a quantidade de velhos saudáveis e, curioso a respeito da milenar medicina chinesa, indagou a um experiente médico qual o segredo para se viver mais e melhor.
Ouviu do mesmo a sábia resposta:
"É muito simples. É só:
Comer a metade.
Andar o dobro.
E rir o triplo."

BOA SEMANA PARA VOCÊ!



terça-feira, 22 de março de 2011

Hoje li um conto da Marina Colasanti, de seu livro "com certeza tenho amor", editora Global. Enquanto lia pensei em como o texto era mais profundo do que uma simples história (como a maioria dos textos da Marina Colasanti) e encarado de uma certa forma ele me lembrou da meditação, do encontrar a nossa essência. A opinião é minha, vou copiar aqui a história, leia veja o que sente. Chama-se:
NO ACONCHEGO DE UM TURBANTE
O único filho do velho vizir não demonstrava ter herdado a sabedoria do pai. Com a morte deste,porém, herdou-lhe toda a fortuna.
logo empenhou-se em gastá-la. Novos palácios, novos elefantes, novos trajes suntuosos, novas jóias, novas babuchas bordadas, Fez-se imperioso ter um novo turbante.
Chamados, os mercadores de tecidos derramaram a seus pés damascos, veludos, brocados, cobrindo de cores e brilhos o mármore do salão, sem que nada satisfizesse o exigente jovem. Afinal, entre tantas, escolheu uma peça de delicada seda cor de palha entretecida de fios de ouro. E, para a surpresa de quantos o rodeavam, exigiu que fosse toda ela utilizada na confecção do turbante. Haveria de ser o maior jamais visto por aquelas paragens.Enrola, enrola,enrola, depois de muitas voltas o jovem viu-se coroado pelas espirais macias que, sobrepostas umas às outras, avançavam para lá de sua cabeça sombreando-lhe o rosto e os ombros, turbante amplo como um guarda-sol, que foi arrematado à altura da testa com uma esmeralda do tamanho de um ovo, e um discreto penacho.
Agora o filho do vizir podia, de modo condigno, pensar em outras maneiras de enfeitar sua vida e sua pessoa.
Estava justamente sentado em um banco do jardim, envolto nessas meditações, na manhã de quase verão em que uma cegonha, chegando cansada da longa migração, viu naquela estranha espécie de ninho a possibilidade de instalar-se sem delongas. num último bater de asas, pousou bem no meio do turbante, eriçou as penas espantando a poeira da viagem, dobrou as longas pernas, ajeitou0-se, e fechando as pálpebras pálidas adormeceu.
paralisado de surpresa, o filho do vizir perguntava-se o que fazer. Espantar animal tão benfazejo era impensável, não se enxota a boa sorte que nos escolhe. Compartilhar com ela o turbante parecia impossível. De momento, porém, não havia outra solução à vista. Não seria por muito tempo, pensou o jovem. Quando a cegonha acordasse, certamente buscaria pouso mais conveniente, uma boa chaminé, um topo de telhado, uma árvore.
Imóvel, o filho do vizir esperou...
...A princípio no palácio e logo na cidade, comentava-se. Eleito por uma cegonha, o filho do vizir já não parecia tão leviano, dotes ocultos haviam de ter motivado aquela escolha. E de fato, o jovem, andando com passos pausados para manter o equilibro de tanto peso, adquiria postura mais severa, um acerta dignidade parecia transmitir-se a seus gestos. Não mais se interessava por festas - e como poderia entregar-se a danças ou farrear com amigos, carregando aquela alada presença que mal via?
Pela primeira vez consciente da própria cabeça, o filho do vizir descobria-lhe outros usos. Sem poder cavalgar, sem participar de torneios ou caçadas, deixava expandir seus pensamentos, refletia. E os serviçais surpreenderam-se vendo-o ocupado em leituras.
Depois um dia, de repente, um estremecimento no alto, um seco estalar, e eis que a cegonha havia colhido com o bico a bela esmeralda que arrematava o turbante. Em vão o filho do vizir alongou o braço apalpando. Ela a havia metido debaixo de si junto com seus próprios ovos, e revidava a bicadas qualquer tentativa de invasão. Caído o penacho, perdida estava toda elegância.
No palácio, porém , a ausência da esmeralda foi interpretada como um gesto de modéstia, e muito louvada.
Passou-se uma semana, outras vieram puxadas por aquela. Quanto demoram ovos de cegonha para eclodir?, indagou o filho do vizir. Agora mantinha-se quase imóvel, como no primeiro dia, não fosse um movimento em falso pôr a perder todo o esforço de vida que se desenrolava acima de sua cabeça. E parado meditava, sentindo-se parte daquele milagre....


A história continua mas paro por aqui. Não sei qual foi a idéia da Marina Colasanti quando escreveu, mas eu a senti assim: nascemos, crescemos, nos tornamos adultos e o que mais queremos é aproveitar a vida (o filho do vizir ao se ver dono de uma herança fabulosa) esquecendo que o renascer neste planeta é uma oportunidade maravilhosa de crescimento espiritual.
Quando começamos buscar por esse crescimento, através do buscar por nossa verdadeira essência, do buscar o bem, o fazer o melhor de nós, ou meditar, colocamos o turbante de fios de ouro, então a Presença Divina chega, como a cegonha da história e nos faz aquietar mais, buscar por novas perspectivas, por outras paragens que nos fazem respirar com mais quietude e alegria. A quietude e alegria que vem com esse voltar-se para dentro.
Às vezes parece que "esmeraldas" nos são tiradas, mas na verdade nos tornamos maiores sem elas. E, finalmente, ao encontrar essa luz interna, sentindo a vida "acima" e ao mesmo tempo dentro de nós, percebemos que fazemos parte deste grande milagre que é o Universo.

Fecho o nosso texto com duas frases de Sai Baba:
"Tudo é divino. Quando você está seguro de sua divindade, certamente você reconhecerá a divindade do próximo"

"Se você alguma vez contemplou com deslumbramento uma noite estrelada ou se maravilhou com o milagre de uma flor silvestre você já começou a meditar"

Bom fim de semana e ótimo inicio de semana, que muitas cegonhas possam fazer ninho em seu turbante dourado!

Namastê!




terça-feira, 1 de março de 2011

Novas fotos





































Seja bem vindo ao nosso Espaço!





























A sala arrumada para a prática










































A sala pronta para a massagem
















































Fotos por Daniel F. Florêncio